terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Presente



Era apenas uma flor de jardim
Daquelas matizadas que já viste
Que uma flor te magoe, fico triste
Terei de guardar o ramo para mim

Ficarei ali, assim de pé
Com o ramo de flores cortadas, na mão
Tal um espantalho já sem fé
A ver cair as pétalas, no chão

Pode chover e até nevar
Impávido, eu ali fico
Sobre o ramo já murcho, a chorar

Pode ser que amanhã quando voltar
Com um ramo novo na mão
Amanhã venhas a aceitar

2 comentários:

Anónimo disse...

isto é poesia!!! antiga e actual!!!
bonita!!!

VÓNY FERREIRA disse...

Que belo poema. A natureza e a emoção conjugam-se num misto de
sensibilidade pura.
Um abraço.
Vóny Ferreira