domingo, 23 de agosto de 2009

Fado dos pais sem sonhos


Tinhela-Concelho de Valpaços

Porque me negas tu Cristo
Quando afirmo que existo
E me proponho rezar
Levas-me os pais que adoro
Com o tempo que passa e choro
Só por não poder gritar

Desce da Cruz e vem ver
Aqueles que fazes morrer
Porque lhes tiraste os sonhos
Já quase não acreditam
Que ainda vivem e meditam
Até lhes roubas os olhos

Eu sei és filho de um Deus
Que na terra eram judeus
Aqueles que te educaram
Não te vingues deste mundo
Olha bem, vê que no fundo
São seres que já se amaram

Senhor Deus tem piedade
E se for necessidade
Leva-me a mim para o inferno
Se és o Deus verdadeiro
Aceito partir, eu primeiro
Compreende o meu drama interno.

Carlos Tronco
Mondeville
19-06-06

4 comentários:

VÓNY FERREIRA disse...

Este poema, Carlos, é dos tais que não deixa ninguém indiferente. Impossível!
Cheguei a emocionar-me com essa revolta mais do que humana quando por vezes nos vemos privados pelas decisões de um Cristo, que nos parecem (por vezes) impiedosas.
Deixo-te um abraço
Vóny Ferreira

Carlos Tronco disse...

Pudera não haver motivo para escrever...
grato pela presença Vony

Lena disse...

Se de alguma forma a tua escrita ameniza a dor, talvez que com um abraço amigo, possa ajudar-te a sofrer um pouquinho menos!!!
Como te entendo, caro amigo.
Fica com o meu carinho e a certeza que não estás só! Aos amigos cabe tambem o saber entender...
Beijinho

Carlos Tronco disse...

Agradeço a leitura e o carinho Lena
Beijinho