sábado, 23 de outubro de 2010

Malhadas


Malhadas

Olha-me.
Mas não vejas em mim,
O cansaço de um caminho
Que apenas sonhei.
Sente a esperança
Que depositei
Em cada grão de trigo
Que ofereci à terra.
A terra é estrangeira,
Mas o sol é nosso, de todos
Em conjunto.
Como a chuva que nos molha,
Como o orvalho que nos acorda.
Avança.
A cada passo, a terra gira
E a seara não tarda a ondular.
O vento, mesmo vadio,
Sopra. E vem de longe.
Sonhei sim.
Sonhei soprar
Nos teus cabelos
Desguedelhados
Até sentires
o sabor dos meus lábios
Na tua nuca.
Como é agradável
O olor do pão quente...
Morde-me agora!
Pois amanhã, não sei
Se voltarei a semear.

Carlos Tronco
UniCaen
23/10/10

3 comentários:

kira, Penha Gonçales disse...

Lindo poema, Carlos!
Um ótimo Natal para ti e os seus e excelente 2011.

Obrigada por visitar meu blog.

Abraços poéticos.

Anónimo disse...

Adorei o poema, Carlos.

Obrigado por me permitir ver os seus trabalhos.

Abraço
Maria

Anónimo disse...

Parabens,Carlos,por este lindo poema!bjs
Nina