sexta-feira, 28 de novembro de 2008

O amanhã será suave



Sinto-me ligeiro e frágil
Como um floco de neve
Suspenso entre céu e terra
Dançando segundo
A vontade do vento
Sei que o teu calor
Me pode derreter
E então
Nada mais ser
Que cristalina água
Que corre
Em duro chão
Sei
E mesmo assim
Adormeço
Feliz sobre o teu peito
Sentindo o calor
Da tua
Alma

Carlos Tronco “Carpinteiro”
Mondeville
03/03/05

1 comentário:

Sal Ober disse...

o amor, sempre o amor no caminho das letras. muito bem construido este poema.

saudações

http://coresemtonsdecinza.blogspot.com